Projeto da Asproc leva internet até famílias de comunidades ribeirinhas

Na maioria dos municípios do Amazonas a população tem difícil acesso à rede mundial de computadores

conexão de internet alcançando ribeirinhos / Foto: Paulo Pinto

Manaus – Computador com ponto de internet é a janela para o restante do mundo nas comunidades ribeirinhas de São Raimundo, Roque e Nova Esperança, localizadas em Carauari, município a 790 km de Manaus. O Projeto Sistema de Informação e Comunicação realizado pela Associação dos Produtores Rurais de Carauari – ASPROC com a parceria com a SITAWI e recursos da USAID tem o objetivo de possibilitar as famílias de 3 comunidades do Médio Juruá o acesso a internet.

A comunidades foram beneficiadas com uma solução de telecomunicação via satélite, que encarrega faz a transmissão e recepção dos sinais por meio de uma antena parabólica para o satélite. Toda essa comunicação utiliza o protocolo IP, o principal protocolo de internet via satélite. Esse sistema dispõe de canais de banda larga, permitindo conexão interativa contínua de alto desempenho e grande confiabilidade.

As comunidades serão os principais parceiros na continuidade deste projeto. O custo para o uso pelos telefones móveis será gradativamente compartilhado de maneira justa entre as famílias beneficiadas que ao final de 3 anos assumirão 100% dos custos dos serviços.

A maioria dos municípios do Amazonas tem acesso precário a internet, investimentos públicos baixos e um mercado nada lucrativo para as grandes empresas. As comunidades ribeirinhas tem realidade bem pior. Os casos identificados são em decorrência de parceiras não governamentais que apoiam a melhoria da qualidade de vida por meio de programas sociais.

Para o presidente da ASPROC, Manuel Siqueira, “esta ação é apenas o primeiro passo do Médio Juruá. Muitos são e serão os desafios, mas acreditamos que a organização vencerá o descaso público e o isolamento no qual vive a maioria da famílias associadas a ASPROC.

Dados

De acordo com o documento “Economia da Informação 2017: Digitalização, Comércio e Desenvolvimento” da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, o Brasil tinha 120 milhões de usuários de Internet em 2015, atrás dos EUA, com 242 milhões, da Índia, com 333 milhões, e da China, com 705 milhões.

Em Manaus, os preços da banda larga fixa podem ser três vezes maiores que nos países desenvolvidos, enquanto o preço da banda larga móvel pode ser duas vezes maior, segundo a União Internacional de Telecomunicações (UIT).

Os municípios do  Amazonas contam com uma Internet cara e ruim, de acordo com o presidente da Associação Amazonense de Municípios (AAM), Anderson Adriano Cavalcante. O fato tem sido um desafio para a população e a Asproc, aos poucos luta por conquistas para os extrativistas.

Por: Maysa Leão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 2 =