Sanear Amazônia completa 8 meses de implementação e já beneficiou 50% das famílias

Tecnologia social instalada pelo Sanear Amazônia , que capta água de chuva e trata água do rio e de poços para distribuir em comunidades de reservas extrativistas, beneficiará 2.800 famílias da região Norte
barcoamorema

O barco da Associação de Moradores da Reserva Extrativista Mapuá, navegando nas águas do Rio Mapuá reduz a velocidade. Hoje vem diferente, traz no toldo duas caixas d´água de 5 mil litros e na parte interior carrega placas pré-moldadas e louças sanitárias. Este é o cenário que se mistura com a paisagem da floresta produzido pelo Sanear Amazônia por meio do trabalho que garante o acesso a água potável para as famílias que moram em reservas extrativistas.

Iniciado como projeto, o Sanear Amazônia foi desenvolvido em comunidades do Médio Juruá, no Amazonas em 2009. Contando com apoio financeiro da Petrobrás, a Associação de Produtores Rurais de Carauari (Asproc) e a Universidade de Brasília (UnB) elaboraram a engenharia do sistema de acesso à água potável por captação de água de chuva. Nessa fase experimental, 145 tecnologias sociais foram construídas e se encontram ainda em pleno funcionamento.

O acerto no projeto ficou evidente quando, em 2015, se expandiu, a partir da articulação política do Conselho Nacional das Populações Extrativistas – CNS, com o financiamento do Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome – MDS para mais famílias de extrativistas no Amazonas e mais três Estados da região Norte: Pará, Amapá e Acre, tornando-se, assim, política pública de saneamento consolidada na Amazônia.

DSC00037São atualmente, 1.416 famílias extrativistas selecionadas para serem beneficiadas, representando 50% do total das 2.800 famílias, previstas na execução do Sanear Amazônia. Das tecnologias sociais, 26% já foram construídas, ou seja, 723 foram iniciadas e mais de 161 foram concluídas.  É um cenário de execução que avança em sintonia com o processo de capacitação comunitária na logística de construção social, física e de saneamento, por meio de capacitações e oficinas em gestão da água e saúde e construção dos componentes físicos da tecnologia.

O Memorial Chico Mendes, responsável pela coordenação e gestão do Sanear Amazônia, completa 8 meses a frente deste trabalho de viagens pelos caminhos da floresta: rios, estradas e ramais de seringais. Caminhos da Amazônia e, agora, caminhos de quem faz a implementação de tecnologias sociais. Neste início de trabalho o verão amazônico ajudou a chegar às comunidades de terra firme. Agora, com chegada do inverno novos caminhos, serão traçados para se chegar às comunidades de várzea.
Nos trajetos feitos entre os quatro estados transportaram-se centenas de placas pré-moldadas, caixa d´água de 1.000 e 5 mil litros, louças sanitárias, tubos, conexões, cimento, madeira, seixo, areia, telas de ferro e vergalhões. Deslocando por meio de rios, lagos, furos e igarapés, foi necessário adaptar o transporte do material em balsas, barcos, pick-up, caminhões e até carroças. Logística de transporte adequada para atender às famílias que, dentro da floresta, estão perto da água, mas não tem acesso à água potável.
Mais que uma comodidade, o banheiro terá um papel importante na conservação das áreas de floresta das reservas extrativistas. “Com os banheiros de alvenaria, teremos a destinação correta dos dejetos. Essa é a grande importância que esse projeto traz para as 2,8 mil famílias”, ressalta o presidente do Memorial Chico Mendes, Antônio Adevaldo Dias.
Mesmo localizadas na maior bacia hidrográfica do globo terrestre, as comunidades extrativistas da Amazônia não tem acesso à água potável tampouco reservatório para o período do verão amazônico. Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), o abastecimento humano representa apenas 33% da demanda total da região, de modo que os consumos estimados são pouco significativos quando comparados à disponibilidade hídrica.
DSC00057No seringal Porongaba, dentro da Reserva Extrativista Chico Mendes, Francisco de Melo Soares, 51 anos, desabafa o alívio de ter agora banheiro em sua casa: “Vamos deixar de levantar à noite, no sereno, na chuva e até mesmo no meio do sol quente para fazer as necessidades”, conta o extrativista. A família de seu Francisco colhe a castanha-do-Brasil, produto vendido por cerca de R$ 30, a lata, para a Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Acre (Cooperacre).
A participação direta das famílias das reservas extrativistas atendidas pelo Sanear Amazônia nas capacitações e formação fortalece a dinâmica de trabalho e o conhecimento sobre o sistema de acesso à água por sistema pluvial na medida em que possibilita qualificá-las para a próxima etapa, que tem como força gestora a construção social de quem vive nas aéreas de uso coletivo da Amazônia.
A organização social e a participação comunitária é questão central para o Memorial Chico Mendes no desenvolvimento social do Sanear Amazônia, como estratégia para impulsionar o engajamento das famílias no desenvolvimento da política pública de acesso à água e saneamento básico. As comunidades extrativistas são protagonistas em todas as etapas de implantação da tecnologia social.
infográficoAs executoras, por exemplo, foram selecionadas partir de edital público e são instituições que representam o movimento social organizado de cada localidade beneficiada. No Amapá, a entidade executora é a Associação de Mulheres do Baixo Cajari – Ambac, onde serão contempladas 500 famílias extrativistas. No Pará a parceria é com o Instituto Vitória Régia e a Associação de Moradores da Reserva Extrativista Mapuá – Amorema para implementar o Sanear nas reservas extrativistas de Soure, Terra Grande Pracuuba (São Sebastião da Boa Vista/Curralinho), Mapuá (Breves) e Arioca Pruanã (Oeiras do Pará). No Acre o Grupo de Pesquisa e Extensão em Sistema Agroflorestais do Acre – Pesacre, o Centro de Trabalhadores da Amazônia – CTA e a SOS Amazônia entidades ambientais e de extensão rural e Asproc no Amazonas.
O Sanear Amazônia, como política pública do governo federal, vem no sentido de diminuir a distância entre a ação pública e as necessidades das populações extrativistas. Implantar a tecnologia social para captar água da chuva e melhorar o saneamento doméstico das famílias, mais que um investimento público é, sobretudo, possibilitar a quem vive na Amazônia mais dignidade, garantia de sua permanência na conservação do território extrativista, mais e melhor qualidade de vida.
Mulheres – Caminhar quilômetros com baldes na cabeça do rio até sua casa, várias vezes por dia; tomar banho de roupa; testemunhar o baixo rendimento escolar das crianças por conta de verminoses contraídas pela água sem tratamento e tentar manter minimamente a segurança alimentar da família: essa é a realidade diária de milhares de mulheres na Amazônia.
Maria Francisca do Carmo, vice-presidente da Comunidade Bauana

Maria Francisca do Carmo, vice-presidente da Comunidade Bauana

“A gente tinha que pegar uma água do rio, sem tratamento, sem nada. Sem contar que a gente tinha que fazer tudo no porto. Chegava tarde da roça, se tivesse peixe pra limpar, ainda tinha que ir tratar peixe”, comenta Maria Francisca do Carmo, vice-presidente da Comunidade Bauana, no município amazonense Carauari.

Além de trabalhar nas atividades produtivas para sustentar a família, as mulheres extrativistas dispensam parte do seu dia tentando amenizar os problemas causados pela falta de um sistema de distribuição de água e saneamento básico. As ações do Sanear Amazônia garantem a essas mulheres, principalmente, comodidade e privacidade nos momentos de higiene pessoal. A melhoria na saúde, no rendimento escolar e na segurança alimentar das famílias beneficiadas também apontam resultados positivos na implementação da tecnologia social.
Um dos idealizadores, o professor de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília (UnB) Ricardo Silveira Bernardes conta que a ideia da construção do banheiro como parte da tecnologia social partiu das próprias mulheres das comunidades. “Elas contavam que o banheiro era a possibilidade de terem privacidade porque tomavam banho de roupa nos igarapés. Essa sensação, de tomar banho por completo, era rara.”

Reconhecimento – O Sistema de Acesso à Água Pluvial para Consumo das Comunidades Extrativistas foi o vencedor do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2015, realizado em Brasília.  Foram 866 inscrições, desse total, 154 práticas foram certificadas e 18 disputaram o título em seis categorias. A tecnologia social desenvolvida pela Associação dos Produtores Rurais de Carauari – Asproc em parceria com o Conselho Nacional das Populações Extrativistas – CNS e apoio técnico da Universidade de Brasília – UNB foi a iniciativa vencedora entre três finalistas na categoria Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares e Assentados da Reforma Agrária.
premiofbb1
O objetivo da premiação, realizada a cada dois anos pela Fundação Banco do Brasil, é identificar, certificar, premiar e difundir tecnologias sociais já aplicadas, implementadas em âmbito local, regional ou nacional, que sejam efetivas na solução de questões relativas a alimentação, educação, energia, habitação, meio ambiente, recursos hídricos, renda e saúde. O prêmio é um reconhecimento pelo trabalho desenvolvido na Amazônia para comunidades extrativistas que sofrem com a falta de políticas públicas que atendam suas demandas.

Um comentário sobre “Sanear Amazônia completa 8 meses de implementação e já beneficiou 50% das famílias

  1. É fantástico esse projeto com relação a redução das atividades das mulheres do campo. E mais importante são suas intervenções na execução do projeto, pois as mulheres do campo mais do que as urbanas é muito mais visível a divisão do trabalho como se fosse natural ou sobrenatural. Elas simplesmente aceitam resignadas. Além de trabalhar na roça devem administrar e executar as atividades domésticas como lavar roupa de toda família, lavar louça, fazer comida, cuidar de animais , dos filhos e filhas, encher água, cuidar da casa, cuidar do marido. É mole ou quer mais? O capital agradece, pois em vez de políticas públicas pra tudo isso. Há os braços elásticos e fortes das mulheres. E elas solicitaram banheiros para que pudessem tomar banho nuas, visto que nas margens dos rios e igarapés é impossível. Essa atitude para quem foi ensinada a obedecer tudo e todos, foi revolucionária. Resta agora senão com o marido mais com os filhos não somente com as filhas a divisão dos trabalhos domésticos. Parabéns ao governo da inclusão que com esses projetos faz a mulher decidir e começar nova etapa de cidadania.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + 2 =