Movimento social quer garantir mais autonomia na organização política dos extrativistas

Lideranças do Conselho Nacional das Populações Extrativistas – CNS, dirigentes do Memorial Chico Mendes e alguns parceiros participaram nesta sexta (18) do último dia da reunião que definiu o planejamento do movimento social para os próximos anos.  Pautas de reivindicação como inclusão social através da saúde e da educação e gestão e organização das Unidades de Desenvolvimento Sustentável – UDS foram discutidas em grupos de trabalho. Na oportunidade, uma retrospectiva sobre o movimento social extrativista foi apresentada, relembrando fatos históricos na trajetória de luta do segmento.

IMG_8790 CNS Oficial

Reformulação – O Chamado da Floresta, principal mobilização do movimento extrativista, ocorrerá em novo formato em 2017. Após debate sobre o último Chamado, realizado em 2015, o Conselho Deliberativo do CNS decidiu que a mobilização para participar do encontro será feita a partir de cada comunidade extrativista e com recursos próprios. A decisão reflete a preocupação em garantir a autonomia durante as discussões das pautas nos grupos de trabalho, de forma que representantes de instituições do governo não influenciem nos debates.

Uma comissão organizadora será criada para se reunir dentro de 60 dias a fim de iniciar a organização do IV Chamado da Floresta. O objetivo é articular a mobilização política em cada Unidade de Desenvolvimento Sustentável de todos os Estados e propor pautas e temas centrais, local e estratégias para realização do encontro. “Esse próximo Chamado da Floresta teremos mais mobilização local e autonomia. Será uma edição propositiva e pragmática”, aponta Clodoaldo Ramos, diretor técnico do Memorial Chico Mendes, que auxilia o Conselho Nacional das Populações Extrativistas na organização do encontro bienal.

Parceria – Outro momento importante na reunião do Conselho Deliberativo do CNS foram os propostas de parcerias. A Fundação Banco do Brasil lançará, na próxima semana, edital de R$ 8 milhões para apoiar a produção e comercialização de produtos extrativistas. Para isso, convidou o Memorial Chico Mendes a dar suporte técnico para as associações comunitárias das UDS para elaborar projetos que possam concorrer ao edital. A agenda de capacitação já inicia esse mês, onde serão realizadas visitas nas comunidades interessadas a partir de levantamento feito pelas regionais do CNS.

Aprovação – A reunião do Conselho Deliberativo em Brasília aprovou a prestação de contas do Memorial Chico Mendes de 2014 e 2015. Na ocasião, Adevaldo Dias, presidente do Memorial, apresentou o andamento e as metas para 2016 do Sanear Amazônia, política pública de captação e distribuição de água potável e saneamento básico implementada em reservas extrativistas de quatro estados na região Norte. O Memorial Chico Mendes destacou também os resultados das parcerias entre a entidade e Fundação Banco do Brasil e Fundação Ford, atentando para o fortalecimento da autonomia organizacional e política através dos projetos e mobilizações cujo suporte técnico é trabalhado pelo Memorial.

Adevaldo Dias apresentando dados recentes da implementação do Sanear Amazônia

Adevaldo Dias apresentando dados recentes da implementação do Sanear Amazônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + 2 =